Imprimir

Comunicação - Notícias

IFIBE promoveu a formação de professores/as de escolas indígenas


IFIBE promoveu a formação de professores/as de escolas indígenas

Nos dias 20 a 22 de julho o IFIBE realizou a formação de Professores/as e trabalhadores/as em educação das Escolas Estaduais Indígenas de Ensino Fundamental: Helder Tenh Fy (Gentil); Monte Caseros (Ibiraiaras); Nem Mág (Mato Castelhano); Retanh Leopoldino (Muliterno); Almerão Domingos Nunes (Água Santa) e Inácio (Água Santa), todas da 7ª CRE. O objetivo deste processo formativo, iniciado no ano passado, foi fortalecer os professores das escolas indígenas como agentes político-pedagógicos de promoção da educação indígena em suas comunidades, com atuação integrada entre escolas e comunidade indígena. Os desafios da formação de professores/as se pôs num contexto no qual a educação formal passa a ter maior integração às comunidades que atende e à complexidade das relações que marcam as sociedades contemporâneas.

Entre os conflitos fortes está em jogo a relação entre os aspectos culturais e as dinâmicas econômicas, cada vez mais marcadas por processos de globalização que tendem a desconsiderar as tradições e formas de vida local e tradicionais em detrimento de formas de vida massificadas, sem contar os impactos da concentração da riqueza em detrimento do aumento da pobreza que afeta de modo cada vez mais forte às comunidades tradicionais.

Este conjunto de aspectos impacta de maneira particular nas dinâmicas sociais, econômicas e culturais dos grupos de povos tradicionais indígenas e também os processos educativos que são desenvolvidos por eles e junto a eles. Por isso, pensar e propor atividades de formação de professores de escolas indígenas exige tomar este conjunto de dinâmicas como conteúdo de debate e de construção de reflexões.

Por isso, buscamos nesses dias de formação, através das temáticas e assessores que estiveram presentes, dialogar e compreender os desafios da educação contextualizada aos processos das próprias comunidades onde as escolas estão inseridas. No dia 20 de julho Leandro Scalabrin fez uma análise da realidade da questão indígena na Região. Logo em seguida uma esquipe da Cáritas Arquiodiocesana de Passo Fundo assessorou a oficina sobre Alimentação Saudável. No período da tarde, a Promotora de Justiça, Cleonice Aires trabalhou o tema: Mediação de conflito: práticas restaurativas. No dia 21 de julho (manhã e tarde) a Professora Elisa Mainardi refletiu sobre a Legislação Escolar Indígena e sobre a Construção dos Planos de Ensino. No dia 22 de julho tivemos como assessoras as Professoras Lucia Fernanda Inácio Belfort Sales e Susana Andréa Inácio Belfort, ambas são indígenas kaingang da Reserva Serrinha (Ronda Alta). Lucia refletiu sobre as questões antropológicas do Ser Kaingang e Susana assessorou a oficina sobre Artesanato Kaingang.


Newsletter